quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Aceita um palito?


A cortesia é parecida com a manga de um mágico: sempre guarda surpresas agradáveis. No mínimo, uma pomba da paz!
Um sorriso, um cumprimento cordial, um pedido de desculpas, a cessão da vez ou do lugar, um suave “por favor”, um envolvente “obrigado”, e tantos outros comportamentos qualificados como de etiqueta, são elementos que saem aos montes do ventre da cortesia.
A cortesia é sempre maravilhosa, mesmo quando só por interesse – oportunidade em que perde muito de seu encanto. Mas o pior é a sua ausência… Ih! É ruim.
Chegando ao restaurante, enquanto esperava que os pratos fossem servidos, o pai pega um paliteiro, tira um palito e dá-o a filha. Esta, espantada, reage:
- Pra que é que eu quero um palito?
- É um presente meu, filha. Aceite-o.
- Não… Obrigada!
Ato contínuo, deu-o ao filho que também ali estava, sendo por ele aceito com um sorridente “muito obrigado papai!¿.
Minutos depois, chegou o prato principal. Compondo-o, destacava-se uma vistosa azeitona verde.
Calmamente, o pai pede de volta o palito ao filho, espeta-o na azeitona, devolvendo-o em seguida, agora adornado por aquele delicioso petisco.
A filha logo reclama:
- E eu, não ganho uma azeitona, não?
- Não! – respondeu o pai com tranqüilidade – Quando lhe dei um palito de presente foi para que, chegando o prato principal, você fosse a primeira a se servir, tirando a azeitona de que tanto gosta. Como não aceitou o presente…
- Mas papai, se eu soubesse…
- É isso, filha, se você soubesse já teria aprendido que presentes dados têm valores visíveis e invisíveis, e só quem sabe recebê-los tem condições de perceber tudo isso… e desfrutá-los com proveito e sabedoria.

Nenhum comentário: